Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado? Cadastre-se

termos do contrato

Já é cadastrado? Login

Drª. Camila Martins Bilésimo

Conselho Regional: CRM/SC 19946 / RQE 14753

Ginecologia e Obstetrícia

Consultórios de Drª. Camila Martins Bilésimo

 Criciúma/SC

Rua Cruz e Souza, 73 Pio Corrêa
Clinica Criar

 Criciúma/SC

Rua Vital Brasil, 455 Cruzeiro do Sul
Hospital São João Batista

Últimos artigos de Drª. Camila Martins Bilésimo

PROLAPSO GENITAL

02/04/2018

O prolapso genital é considerado um grande problema de saúde pública mundialmente, causando importante diminuição da qualidade de vida para as mulheres afetadas.

Mas do que se trata?

Trata-se de um descenso da parede vaginal anterior e/ou posterior, ou do ápice da vagina, uma herniação dos órgãos pélvicos em uma local de lesão ou fragilidade na parede vaginal. É a famosa “bola na vagina”. Essa sensação é descrita por 6-8% das mulheres atendidas em consulta. Levando-se em conta o diagnóstico no exame físico, a ocorrência de prolapso genital chega a 30-60% das mulheres.


Qual a causa dos prolapsos vaginais?


A etiologia é multifatorial. Inclui idade, quantidade de partos vaginais, predisposição genética, deficiência estrogênica (principalmente após a menopausa), lesão dos músculos envolvidos na sustentação pélvica e tabagismo.


Quais os sintomas?


-Sensação de bola ou peso na vagina.

-Sintomas urinários: incontinência, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga.

-Sintomas intestinais: sensação de esvaziamento incompleto, constipação, necessidade de auxilio manual para evacuar.

-Sintomas sexuais: diminuição do prazer, desconforto durante o coito.

Como diagnosticar e tratar este problema?

É de essencial importância realizar avaliação com profissional capacitado para definir a existência de prolapso, identificar o tipo e indicar os tratamentos disponíveis.

Em geral a perda de peso, cessação de tabagismo, reposição estrogênica e a fisioterapia possuem efeitos fortemente positivos nos tratamento.

Alguns casos exigem tratamento cirúrgico. Este inclui reconstrução da vagina, com ou sem a necessidade de histerectomia (retirada do útero) e uso de telas sintéticas. A maioria dos casos é operada pela via vaginal. Algumas pacientes necessitam de abordagem por via abdominal, seja por videocirurgia ou cirurgia aberta. Os resultados melhoram de maneira importante a qualidade de vida. 





 

Este profissional não recebeu nenhuma opinião ainda
© Lista da saúde 2018. Todos os direitos reservados.
Sisdado tecnologia