A VERDADE SOBRE AS LARCS

A VERDADE SOBRE AS LARCS

Compartilhe:

Long-Acting Reversible Contraception
Nestes tempos de empoderamento feminino, a mulher necessita métodos anticoncepcionais que facilitem seu dia-dia. Os LARCS vieram para isso com durabilidade de 3 a 10 anos. Métodos de contracepção Reversíveis de Longa Ação, são eles o DIU de Cobre e de Prata ( Dispositivos Intrauterinos Livres de Hormônios),IMPLANON (Dispositivo liberador hormonal de Etonogestrel, implantado no sub-cutâneo do braço) e os SIUs-LNG (Dispositivos Intra-Uterinos liberadores de Levonogestrel – MIRENA e KYLEENA).

Com taxa de gravidez inferior a 1%, até 20x mais eficazes do que os anticoncepcionais orais, injetáveis, anel vaginal e adesivos eles independem da memória e conduta da usuária.

As taxas de falha do IMPLANON SÃO DE 0,05%, com duração de 3 anos.
O DIU de Cobre e Prata taxas de falha de 0,06% a 0,085 agindo por 10 anos e os SIUS-LNG de zero a 0,06% de falha.
Os LARCS são recomendados para todas as mulheres que desejam uma contracepção eficaz, tanto adolescentes quanto as que já possuem os filhos que desejam, também mulheres sem filhos, pós parto, pós aborto, comorbidades restritas ao uso de estrogênio, para tratar doenças que necessitam amenorréia, perimenopausa ou apenas comodidade.
Os LARCS só funcionam enquanto estiveram colocados, uma vez retirados param de agir e se reestabelece o ciclo menstrual e a fertilidade.
Após inserção do método elegido deve manter rotina de revisão anual ou conforme o caso semestral.
Os Larcs engordam? O Diu de Cobre/Prata não contém hormônios portanto não causa efeitos colaterais devido a presença deles, nem o SIU nem o implante aumentam o peso em comparação aos outros métodos, se houver deve ser investigadas causas e mudanças de hábitos e dieta.
Acne não é uma condição causada pelos LARCS mas eles não tratm a acne como as pílulas fazem, portanto ele deixa a pele como era sem o uso de hormônios.
Cada mulher na sua individualidade deverá ser avaliada pelo seu Ginecologista para a escolha do método mais adequado a ela.

Mais artigos de Drª. Lorena da Rosa Rodrigues