ASMA EM CRIANÇA: MITOS E VERDADES

ASMA EM CRIANÇA: MITOS E VERDADES

Compartilhe:

Tem cura? Bombinha vicia ou ataca o coração? Preciso usar o espaçador?
Asma é uma doença pulmonar crônica tratável que leva a obstrução dos brônquios (tubos que levam o ar até os pulmões), podendo estar presente desde a infância até o fim da vida. Essa obstrução é decorrente da inflamação local devido a diversas causas, como gripes e pneumonias, ou exposição a agentes externos, como poeira, fumaça de cigarro, poluição e outros. História na família de asma e outras doenças como dermatite atópica, rinite e alergias alimentares também estão ligadas ao diagnóstico.
No Sul, uma a cada cinco crianças tem asma e imagina-se que este número seja ainda maior. O diagnóstico é realizado a partir da história do paciente, com sintomas como chiado no peito, cansaço aos esforços, despertar noturno por falta de ar, entre outros. Associado a isto, podem ser necessários exames de sangue, Rx e provas de função pulmonar, como a espirometria.
A maioria das crianças até os cinco anos apresentam melhora do quadro devido ao crescimento natural dos pulmões e dos brônquios, ficando mais difícil de obstruí-los. Porém, os pacientes que não tratam adequadamente, ou seja, tratam somente as crises, tem uma chance grande de manter os sintomas mesmo após o crescimento.
O uso abusivo de corticoide oral (prednisolona) no tratamento das crises pode levar a efeitos colaterais como aumento da pressão, peso e glicemia, além de alteração no crescimento e fragilidade dos ossos. Por isso, é importante tratar para evitar as crises e assim o uso desta medicação em excesso. Nas crises também usamos bombinhas como o Salbutamol ou nebulização com Fenoterol. Estas não viciam e não atacam o coração, podendo causar aumento dos batimentos cardíacos, porém sem nenhuma repercussão quando utilizadas em doses adequadas, devendo ser utilizadas sempre conforme orientação médica.
O uso diário de corticoides inalatórios (outra bombinha) é a primeira escolha no tratamento, reduzindo sintomas, crises e risco de internação. Sempre é necessário que utilize todas as bombinhas com espaçador, lembrando que nenhuma delas vicia. Esta medicação é extremamente segura, com doses muito menores que dos corticoides orais, sendo assim não possui os efeitos colaterais do mesmo. Outros tratamentos também são utilizados com sucesso, variando conforme idade do paciente. Importante que o tratamento seja feito da maneira correta e com adesão do paciente.
Lembramos então que a asma é uma doença tratável e que muitas vezes apresenta remissão com o crescimento e o tratamento adequado. É fundamental o seguimento com um Pneumologista Pediátrico para evitar que isto se torne um problema para o resto da vida.

 

Outros artigos