TRANSTORNOS ALIMENTARES: COMO IDENTIFICA-LOS?

TRANSTORNOS ALIMENTARES: COMO IDENTIFICA-LOS?

Compartilhe:

Conheça os tipos e tratamentos desta doença que atinge cada vez mais a população


Os transtornos alimentares são cada vez mais foco da atenção dos profissionais da área da saúde por apresentarem significativos graus de adoecimento e mortalidade.
Estes transtornos ocorrem geralmente entre mulheres no final da adolescência e nas adultas jovens com uma proporção homem-mulher de 1:10 e até de 1:20.
Com frequência estão associados a algum outro transtorno psiquiátrico como depressão, ansiedade, transtorno obsessivo compulsivo e até mesmo o abuso de álcool e outras drogas.
Anorexia Nervosa
A anorexia nervosa caracteriza-se por perda de peso intensa e intencional às expensas de dietas extremamente rígidas com uma busca desenfreada pela magreza e uma distorção grosseira da imagem corporal.
Indivíduos com anorexia nervosa podem apresentar várias limitações funcionais associadas ao transtorno, como um isolamento social significativo ou fracasso em atingir o nível acadêmico ou profissional desejado.
Bulimia Nervosa
Bulimia é um distúrbio que se caracteriza por episódios recorrentes e incontroláveis de consumo de grandes quantidades de alimentos, geralmente com alto teor calórico.
A preocupação excessiva com o peso e a imagem corporal leva o paciente a métodos compensatórios inadequados e repetitivos para evitar ganho de peso como a indução de vômito e uso indevido de laxantes e diuréticos.
Os indivíduos com bulimia em geral sentem vergonha de seus problemas alimentares e tentam esconder os sintomas e os episódios de compulsão alimentar ocorrem em segredo ou da maneira mais discreta possível.
Transtorno de Compulsão Alimentar
Este transtorno é caracterizado por comer muito mais rapidamente do que o normal até se sentir desconfortavelmente satisfeito, sem a sensação física de fome.
Os indivíduos com este transtorno preferem se alimentar sozinhos por se constrangerem do quanto comem e por sentirem-se deprimidos ou muito culpados em seguida.
O fator desencadeante mais comum da compulsão alimentar é uma situação vivenciada pela pessoa que lhe gere um afeto ruim, além de sentimentos negativos relacionados ao peso corporal e sensação de tédio.
A pessoa com o transtorno de compulsão alimentar apresenta diversos problemas no desempenho de papéis sociais e uma qualidade de vida baixa.
Tratamento
O tratamento dos transtornos alimentares exige acompanhamento de equipe multidisciplinar composta por médicos psiquiatra e clínico, psicólogo e nutricionista. Diversas classes de medicamentos podem ser utilizadas especialmente se ocorrerem outros distúrbios associados como depressão ou transtorno bipolar. A terapia cognitivo-comportamental tem mostrado bons resultados a longo prazo.
Geralmente a pessoa que apresenta um transtorno alimentar tem muita dificuldade em aceitar o problema e quando aceita, demora ou não procura ajuda especializada. Assim, o papel da família é fundamental tanto na identificação do transtorno quanto no seu tratamento.
Portanto, na suspeita de um transtorno da alimentação, converse com o seu médico, procure ajuda, pois você não precisa enfrentar este problema sozinho, há tratamento.

Mais artigos de Drª. Simone Lespinasse Araújo

ESQUIZOFRENIA